CAPITAL SOCIAL: um estudo na rede extrativista da Flona Carajás

Autores

  • Eloisa Barbosa Vilela Camargo IFSULDEMINAS https://orcid.org/0009-0001-6263-9358
  • Gustavo Clemente Valadares
  • João Marcos Fernandino Evangelista
  • Luiz Augusto Reis Almeida

DOI:

https://doi.org/10.18406/2359-1269v10n12023308

Palavras-chave:

Ativo intelectual, Laços relacionais, Rede interorganizacional, Extrativismo vegetal

Resumo

O Capital Social consiste em um conjunto de instituições, relações e normas capazes de dar qualidade as conexões interpessoais presentes em uma sociedade. Na rede extrativista, ele cumpre um papel mais dinâmico por transitar entre três dimensões: estrutural, relacional e cognitiva. A identificação destes três níveis dimensionais é extremamente relevante, pois eles auxiliam em tomadas de decisões, definem a identidade de empresas, adequam os problemas comportamentais, identificam as oportunidades de mercado, traçam estratégias de longo-prazo, entre outros. Por esse motivo, o trabalho proposto buscou descrever como o capital social se insere nas relações comerciais da cooperativa extrativista abordada, descrevendo as suas relações comerciais, caracterizando as dimensões supracitadas e identificando os contextos em que ambos interagiam. Metodologicamente, utilizou-se o estudo de caso para a realização de uma pesquisa qualitativa, exploratória e descritiva. A avaliação dos resultados foi efetuada pela técnica Análise de Conteúdo com grade mista, ao que se identificou: um processo de expansão do horizonte relacional na rede, o nível de confiança reduzido entre os parceiros, cinco grupos temáticos sensíveis nas relações estudadas, um forte engajamento às causas ambientais e a influência hierárquica dentro da estrutura. Tais resultados corroboram as contribuições teóricas descritas por Pierre Bourdieu, James Coleman e Robert Putnam, principais referências utilizadas para a fundamentação do trabalho. Como oportunidade de melhoria sugere-se: a exploração dos canais de comunicação no processo de ampliação da rede, o aprofundamento dos laços relacionais entre os parceiros, a manutenção do diálogo aberto e frequente sobre assuntos sensíveis, a gestão da dimensão relacional e compensação dos pesos hierárquicos.

Referências

BARDIN, Laurence. Análise de Conteúdo. Lisboa. Edições 70: 1977. p. 43 e 44.

BRITO, Carlos Melo. Novos Horizontes do Marketing. Alfragide. LeYa: 2014. Cap. 1: Marketing Relacional: o marketing da fidelização. Posição 133, 221 e 237. Edição Kindle.

COLEMAN, James. Social capital in the creation of human capital. American Journal of Sociology, Chicago. v. 94, n. suplementar. Jan/1988. pp. 98, 102 e 104.

D’ ARAUJO, Maria Celina. Capital Social. 2 ed. Rio de Janeiro. Zahar: 2003. Posição 39. Edição Kindle.

FIELD, John. Social Capital. 2 ed. Nova York: Key Ideas. 2008. pp. 13, 14, 64 e 65.

FURLANETTO, Egídio Luiz. Instituições e desenvolvimento econômico: a importância do Capital Social. In. Revista de Sociologia e Política. Curitiba, PR. v. 16, n. suplementar. 2008. pp. 63.

GUMIER-COSTA, Fabiano. Os folheiros do jaborandi: organização, parcerias e seu lugar no extrativismo amazônico. Jundiaí: Paco Editorial. 2017, posição 3142. Edição Kindle.

GUMIER-COSTA, Fabiano; MACGRATH, David Gibbs; PEZZUTI, Juarez Carlos Brito; HOMMA, Alfredo Kingo Oyama. Parcerias institucionais e evolução do extrativismo de jaborandi na Floresta Nacional de Carajás, Pará, Brasil. In. Sustentabilidade em debate. Brasília, DF. v. 7, n. 3. 2016. pp. 93, 96, 97, 103, 104, 105 e 107.

GUMMESSON, Evert. Marketing de Relacionamento Total. Porto Alegre. Bookman: 2009. pp. 95.

HIGGINS, Silvio Salej. Os fundamentos teóricos do Capital Social. Chapecó. Argos: 2005. pp: 188 e 189.

JUSTINO, David. Estudos sobre a Globalização. Lisboa. Edições 70: 2016. Título I: Economia e sociologia. Cap. 4: Globalização, uma perspectiva sociológica. Posição 1170, 1180, 1193 e 1205. Edição Kindle.

KOCHË, José Carlos. Fundamentos de Metodologia Científica: teoria da ciência e iniciação científica. Petrópolis, RJ. Vozes: 2011. pp. 47 e 126.

MARCONI, Marina; LAKATOS, Eva. Fundamentos de metodologia científica. 5 ed. São Paulo. Atlas: 2003. p. 22.

NAHAPIET, Janine; GHOSHAL, Sumantra. Social capital, intellectual capital, and the organizational advantage. In. Academy of Management Review, Mississippi, USA. v. 23, n. 02, abr/1998. pp. 243, 244, 251, 252, 253, 254, 255 e 256.

PUTNAM, Robert. Bowling Alone: The collapse and revival of American Community. 20 ed. Nova York. Simon & Schuster: 2001. Título I: Introduction. p. 17 e 18. Edição Kindle.

RAMOS, Carla; ROSEIRA, Catarina. Novos Horizontes do Marketing. Alfragide. LeYa: 2014. Cap. 8: Marketing de redes: o marketing das interdependências. Posição 3293, 3302, 3342, 3370, 3395 e 3436. Edição Kindle.

SANTOS, Breno Augusto. 1 Vídeo (1h 25min 39s) A história da descoberta de uma das maiores províncias minerais do planeta - Carajás. Publicado por Canal Semana da Geologia UFMG. 2019. Acessado em 05 mar. 2021. Disponível em: https://www.youtube.com/watch?v=0a9PAAaEosk.

YIN, Robert. Estudo de Caso: planejamento e Métodos. 5 ed. Porto Alegre, RS. Bookman: 2015. pp. 2 e 3.

Downloads

Publicado

2023-05-26

Como Citar

CAMARGO, E. B. V.; VALADARES, G. C.; EVANGELISTA, J. M. F.; ALMEIDA, L. A. R. CAPITAL SOCIAL: um estudo na rede extrativista da Flona Carajás. Revista Eixos Tech, [S. l.], v. 10, n. 1, 2023. DOI: 10.18406/2359-1269v10n12023308. Disponível em: https://eixostech.pas.ifsuldeminas.edu.br/index.php/eixostech/article/view/308. Acesso em: 25 jul. 2024.

Edição

Seção

Artigos