ALEITAMENTO MATERNO DO PREMATURO: Ações de enfermagem após alta hospitalar

Karine Vilela Nascimento, Joana Darc da Silva, Marciele Maria de Jesus Oliveira, Amanda Aparecida Borges, Cleide Augusta de Queiroz

Resumo


O nascimento do prematuro caracteriza-se como um grave problema de saúde pública. De acordo com os dados da Organização Mundial de Saúde (OMS), o Brasil ocupa a décima posição em números absolutos em partos de prematuros, com 279,3 mil partos por ano, correspondendo a 9,2% de nascimentos prematuros no país. O aleitamento materno é uma ferramenta essencial na redução dos índices de mortalidade infantil e possíveis doenças, trazendo incontáveis benefícios para a mãe e a criança. Neste contexto, o presente estudo teve como objetivo compreender as ações desenvolvidas pelos enfermeiros da APS frente ao aleitamento materno do prematuro após alta hospitalar. Trata-se de um estudo de abordagem qualitativa que utilizou a entrevista semi-estrutrada como forma de coleta dos dados. Foram convocados todos os enfermeiros que atuam na Estratégia Saúde da Família. A análise dos dados revelou que os enfermeiros intensificam as ações realizadas pelas instituições hospitalares na promoção ao aleitamento materno. Por meio de visita domiciliar, puericultura e acolhimento o enfermeiro mostra à mãe os benefícios de amamentar o recém nascido. Neste contexto, o estudo foi desenvolvido em quatro categorias: o cuidar do aleitamento materno do prematuro, estratégias de cuidado, barreiras do cuidado ao aleitamento materno do prematuro e facilitador no processo de amamentação.


Palavras-chave


Aleitamento materno. Enfermagem. Recém nascido prematuro. Atenção básica.

Texto completo:

PDF

Referências


AZEVEDO, D. S.; FREITAS, L. V.; COSTA, P. B.; PINHEIRO, P. N. C.; DAMASCENO, A. K. C. Conhecimento de primíparas sobre os benefícios do aleitamento materno. Rev RENE, v.11, n.2, pp. 52-62, 2010.

BARDIN, L. Análise de conteúdo. Lisboa: Edições, p70; 2009.

BRAGA, M. S. Aleitamento materno no prematuro: um estudo de prevalência em uma unidade neonatal do DF. Brasília, 2015.

COUTO, F. F.; PRAÇA, N. S. Premature newborn: maternal support at home for care. Rev Bras Enferm. 2012, vol. 65, n. 01, p. 19-26.

DUARTE, R. Pesquisa qualitativa: reflexões sobre o trabalho de campo. Cad. Pesqui., São Paulo , n. 115, p. 139-154, Mar. 2002

GARUZI, M.; ACHITTI, M. C. O.; SATO, C. A.; ROCHA, S. A.; SPAGNUOLO, R.S. Acolhimento na Estratégia Saúde da Família: revisão integrativa. Rev Panam Salud Publica, Washington , v. 35, n. 2, p. 144-149, Fev. 2014.

GONÇALVES, M. R. F. AÇÕES DE PROMOÇÃO DO ALEITAMENTO MATERNO NA ATENÇÃO BÁSICA NO MUNICÍPIO DE RIBEIRÃO DAS NEVES. 283f. Dissertação de Mestrado em Gestão Social, Educação e Desenvolvimento. 2013.

GIL, A. C. Como elaborar projetos de pesquisa. 5. ed. São Paulo: Atlas S.A, 2010. p. 26-37.

HWANG, S. S.; BARFIELD, W. D.; SMITH, R. A.; MORROW, B.; SHAPIRO-MENDOZA, C. K.; PRINCE, C. B. Discharge timing, outpatient follow-up, and home care of late-preterm and early-term infants. Rev. Pediatrics. 2013, vol. 132, n. 01, p. 101-108.

MACEDO, M. D. S.; TORQUATO, I. M. B.; TRIGUEIRO, J. S.; ALBUQUERQUE, A. M.; PINTO, M. B., NOGUEIRA, M. F. Aleitamento materno: identificando a prática, benefícios e os fatores de risco para o desmame precoce. Rev enferm UFPE on line., Recife, 9(supl. 1):414-23, jan., 2015.

MACIEL, I. V. L.; ALMEIDA, C. S.; BRAGA, P. P. O aleitamento no contexto da prematuridade: o discurso materno. Rev enferm UFPE online., Recife, v.8, n.5, pp.1178-84, 2014.

MARTINEZ, J. G.; FONSECA, L. M. M.; SCOCHI, C.G.S. Participação das mães/ pais no cuidado ao filho prematuro em unidade neonatal: significados atribuídos pela equipe de saúde. Rev Latino-Am Enfermagem., v. 15, p. 239- 46, 2007.

MERIGHI, M. A. B.; JESUS, M. C. P.; SANTIN, K. R.; OLIVEIRA, D. M. Cuidar do recém-nascido na presença de seus pais: vivência de enfermeiras em unidade de cuidado intensivo neonatal. Rev. Latino-Am. Enfermagem, Ribeirão Preto, v. 19, n. 6, p. 1398-1404, 2011.

MINAYO, M. C. S. Pesquisa Social: teoria, método e criatividade. 29ª ed. Petrópolis: Vozes. 2010.

MOIMAZ, S. A. S.; AMARAL, M. A.; MIOTTO, A. M. M.; COSTA, I. C. C.; GARBIN, C. A. S. Análise qualitativa do aleitamento materno com o uso do software Iramuteq. Revista Saúde e Pesquisa., v. 9, n. 3, pp. 567-577, 2016.

POLIDO, C. G.; MELLO, D. F.; PARADA, C. M. G. L.; CARVALHAES, M. A. B. L.; TONETE, V. L. P. Vivências maternas associadas ao aleitamento materno exclusivo mais duradouro: um estudo etnográfico. Acta Paul Enferm., v.24, n.5, pp.624-30, 2011.

SILVA, A. F. M.; GAIVA, M. A. M.; BITTENCOURT, R. M. Uso de lactogogos na amamentação por mães assistidas numa unidade de saúde da família. Fortaleza. Rev Rene.,v.12, n.3, p.574-581. 2011.

SILVA, S. M. S.; SEGRE, C. A. M. Fatores que influenciam o desmame no recém-nascido prematuro. Rev. Bras. Crescimento Desenvolvimento Hum.,v.20, n.2, pp.291-301, 2010.

SILVEIRA, R. S. O.; RIBEIRO, I. C. Q.; SILVA, T. T. F.; OLIVEIRA, L. L. Construção de tecnologia educativa para incentivar puérperas ao aleitamento materno. Mostra Interdisciplinar do curso de Enfermagem., v.2, n.1, 2016.

SOARES, J. P. O.; NOVAES, L. F. G.; ARAUJO, C. M. T.; VIEIRA, A. C. C. Amamentação natural de recém-nascidos pré-termo sob a ótica materna: uma revisão integrativa. Rev. CEFAC., v. 18, n.1, 2016.




DOI: http://dx.doi.org/10.18406/2359-1269v5n2201899

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Direitos autorais 2018 Karine Vilela Nascimento, Joana Darc da Silva, Marciele Maria de Jesus Oliveira, Amanda Aparecida Borges, Cleide Augusta de Queiroz

INDEXADORES:

 


Eixos Tech, Passos, MG, Brasil. e-ISSN: 2359-1269

Classificação Qualis: B4

Licença Creative Commons
Este periódico está licenciado por Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.