ABORDANDO A QUALIDADE DE VIDA NA ADOLESCÊNCIA: Formando novos atores sociais por meio de oficinas educativas

Elton Junio Sady Prates, Maria Luiza Sady Prates, Lays Figueiredo Inácio da Silva, Glaucia Marina Furini Ferreira, Luana Matos Silva Araújo, Raquel Dully Andrade

Resumo


Introdução: O período de adolescer e adolescência é permeado por profundas alterações biopsicosocioculturais, podendo expor os adolescentes a ingerência relacionada à sua saúde e qualidade de vida. Objetivo: Descrever a realização de uma oficina educativa acerca da qualidade de vida junto a adolescentes em situação de vulnerabilidade social. Metodologia: Trata-se de um estudo descritivo, caracterizado como relato de experiência, utilizando a observação e a prática durante a realização de uma oficina desenvolvida junto à 17 atores pertencentes a uma organização social de apoio a adolescentes em situação de vulnerabilidade em uma cidade do Sul de Minas Gerais. Resultados: Dentro da oficina, foi possível abordar temáticas como alimentação, atividade
física, autoestima, projeto de vida, espiritualidade e bem-estar. A partir da realização da oficina, evidenciou-se a necessidade da ampliação e fortalecimento da atenção ao público adolescente, visto o alto grau de vulnerabilidade demonstrado e as inúmeras dúvidas que pairam acerca da sua saúde e
qualidade de vida. Verificou-se que a oficina com a temáticas abordada possibilitou compartilhar experiências, dúvidas e saberes, além de propiciar o diálogo e a ação-reflexão-ação dos sujeitos, objetivando estabelecer o elo entre a reflexão e a ação consciente. Denota-se ainda que o empoderamento proporcionado pela experiência caracteriza-se como uma experiência exitosa. Recomenda-se a ampliação dessas iniciativas, visto os benefícios proporcionados pela mesma, tanto para os adolescentes quanto para a equipe. Considerações finais: Considera-se, portanto, que a experiência relatada permitiu o despertar para novos conhecimentos e reflexões, fator que contribui para um processo de crescimento mútuo. Além disso, foi possível concluir que a oficina educativa
com o público adolescente se configura como um importante espaço de empoderamento, cidadania, emancipação e, prioritariamente, um espaço coletivo de promoção à saúde. Sugere-se a necessidade de estudos e reflexões sobre a temática, visto seus reflexos na saúde pública e os diversos atores
envolvidos.


Palavras-chave


Educação em Saúde; Adolescente; Vulnerabilidade Social; Relações Comunidade-Instituição.

Texto completo:

PDF


DOI: http://dx.doi.org/10.18406/2359-1269v5n12018143

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Direitos autorais 2018 Elton Junio Sady Prates, Maria Luiza Sady Prates, Lays Figueiredo Inácio da Silva, Glaucia Marina Furini Ferreira, Luana Matos Silva Araújo, Raquel Dully Andrade

INDEXADORES:

 


Eixos Tech, Passos, MG, Brasil. e-ISSN: 2359-1269

Classificação Qualis: B4

Licença Creative Commons
Este periódico está licenciado por Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.