Prevalência de silicose entre trabalhadores de Alpinópolis, Guapé e São José da Barra

Jaqueline Campos Costa

Resumo


A silicose é uma doença pulmonar ocupacional que está relacionada com a geografia do local de trabalho, ocasionada através da inalação de poeira ou substâncias químicas. A evolução começa a partir do período de exposição, mas em fases iniciais é assintomática, com possíveis reações agudas ou crônicas. De acordo com o período de duração e intensidade da exposição, pode ocorrer um quadro clínico de dispnéia. O objetivo foi identificar e classificar os pacientes com silicose no Centro de Referência Regional em Saúde ao Trabalhador (CEREST), destacando os municípios de Alpinópolis, Guapé e São José da Barra. Foram analisados prontuários do mês de janeiro de 2008 a julho de 2016, para posterior classificação quanto a gênero, faixa etária e profissão. Com base nos dados obtidos, constatou-se que há predominância do gênero masculino, devido ao trabalho braçal. Avaliou-se que Alpinópolis apresenta mais casos pelo fato da cidade possuir área geográfica composta por montanhas de arenito quartzito. Na análise da faixa etária obteve-se índices elevados para idade, de 30 a 39 anos, justificado pela intensidade de exposição. Em relação a atividade empregatícia, funções de extrator e serrador apresentam mais adoecimentos por maior liberação da poeira durante a extração e os processos iniciais. Conclui-se que é indispensável a utilização dos EPI’s pelos trabalhadores, e que a capacitação e informação dos profissionais da área da saúde e segurança é fundamental para minimizar a prevalência desses índices, além da promoção de campanhas, disponibilização de cursos e palestras que visem a prevenção da doença.


Palavras-chave


Silicose; Pneumoconioses; Doenças ocupacionais.

Texto completo:

PDF

Referências


ALGRANTI, E.; CAPITANI, E M.; CARNEIRO, A. P. S.; SALDIVA, P. H. N. Patologia respiratória relacionada com trabalho. In: MENDES, R. Patologia do trabalho. 2 ed. Rio de Janeiro: Atheneu. p. 1239, 2003.

BAGATIN, E. Doenças Pulmonares Ocupacionais. 2001. Disponível em: . Acesso em 3 de abril. 2016.

BARBOSA, M. S. A.; CARNEIRO, A. P. S.; MACIEL, J. G. F. S.; MORONTE, E. A.; ROCCA, P. F.; SANTOS, A. R. M. Silicose em trabalhadores de quartzito da região de São Thomé das Letras – Minas Gerais; dados iniciais indicam um grave problema de saúde pública. Rev. Bras. Saúde Ocup. v. 36, n. 123, p. 177-184, 2011

BARBOZA, C.; et al. Tuberculose e Silicose: epidemiologia, diagnostico e quimioprofilaxia. 2008. Disponível em: . Acesso em 3 de maio .20016.

BORGES, R. M. A. Impactos ambientais causados pela extração de pedras em Alpinópolis. Artigo apresentado no curso de especialização em Direito Ambiental da Universidade de Juiz de Fora, 2010.

BRASIL. Manual de normas para controle de pneumoconioses: silicose, pneumoconiose dos trabalhadores de carvão e pneumoconioses por poeiras mistas. Brasília: Ministério da Saúde. 1997.

CARVALHO, D.C.; et al. Pneumoconiose. 2008. Disponível em:. Acesso em: 23 de maio. 2016.

CENTRO DE TECNOLOGIA MINERAL (CETEM). Exploração de quartzito em São Thomé das Letras (MG) passa por reestruturação. 2010. Disponível em: . Acesso em: 31 out 2016.

FAGUNDES, G.; ZANELLATO, M.A. Silicose: doença pulmonar ocupacional no trabalhador de mineração. 2009. Disponível em: . Acesso em 12 de maio. 2016.

FERREIRA, A.S.; et al. Fibrose Maciça Progressiva em Trabalhadores Expostos à Sílica. Achados na Tomografia Computadorizada de Alta Resolução. 2005. Disponível em: . Acesso em: 05 de abril. 2006.

FILHO, M.T.; SANTOS, U.P. Silicose. 2006. Disponível em: . Acesso em: 06 de abril. 2016.

LOPES, A.J.; et al. Comparação da Função Pulmonar com a Radiografia de Tórax em Trabalhadores Expostos à Sílica. 2007. Disponível em: . Acesso em: 16 de abril. 2016.

LUZ, F.F.;et al. Silicose em Ex-mineiros de Extração de Cobre. 2011. Disponível em: . Acesso em: 5 de abril. 2016.

MEIRELES, G.S.P.; et al. Imagem nas Doenças Ocupacionais Pulmonares. 2006. Disponível em: . Acesso em: 05 de abril. 2006.

MELO, R.S.S.; ZAGO, M.M.F. Os Sentidos da Silicose Atribuídos por Trabalhadores de Pedreiras Adoecidos. 2012. Disponível em: Acesso em: 5 de abril. 2016.

MINISTÉRIO DA SAÚDE. Pneumoconioses. 2006. Disponível em: . Acesso em 20 de abril. 2016.

NETO, V.E.M.M. Poeira, um Problema Invisível na Construção Civil. 2007. Disponívelem:. Acesso em 3 de maio. 2016.

OIT. A Prevenção das Doenças Profissionais. 2013. Disponível em: . Acesso em 14 de maio. 2016.

REZENDE, A.A.B.; et al. Efeitos Respiratórios de Inalação de Sílica em Trabalhadores de Marmorarias. 2013. Disponível em:. Acesso em: 5 de abril. 2016.

SOBRAL, E. Cerest de Passos: Conscientização sobre Prevenção de Acidentes. 2015. Disponível em: Acesso em 11 de abril. 2016.

SANTOS, C. et al. Silicose – Breve Revisão e Experiência de um Serviço de Pneumologia. 2004. Disponível em: . Acesso em: 5 de abril.2016.

SANTOS FILHO, M. T. Silicose. J. Bras. Pneumol. v. 32, p. 41-47, 2006.

TÉRAN, J.E.C. Educação em Saúde: Silicose. 2010. Disponível em: . Acesso em 12 de abril. 2016.




DOI: http://dx.doi.org/10.18406/2359-1269v4n1201770

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Direitos autorais 2017 Jaqueline Campos Costa

INDEXADORES:

 


Eixos Tech, Passos, MG, Brasil. e-ISSN: 2359-1269

Classificação Qualis: B4

Licença Creative Commons
Este periódico está licenciado por Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.