Perfil sociodemográfico e antecedentes obstétricos associado à sífilis na gestação

Camila Belfort Piantino

Resumo


Introdução: A sífilis é uma doença contagiosa transmitida por via sexual e vertical. Objetivo: Avaliar a incidência de gestantes com sífilis e dos casos de sífilis congênita no período de 2007 a 2016 em um município do sudoeste mineiro. Metodologia: Estudo descritivo, quantitativo, desenvolvido mediante consulta ao sistema de registro do MS/SVS/Departamento de DST, AIDS e Hepatites virais. Resultados:A análise dos dados demonstra predomínio de casos na faixa etária entre 20 a 29 anos, 5ª a 8ª série incompleta, cor branca/parda. A maioria dos diagnósticos foram efetuados no 3º trimestre da gestação, prevalência de gestantes que realizaram o pré-natal, tratamento inadequado da mãe e não adesão ao tratamento por parte dos parceiros das gestantes e diagnóstico precoce de sífilis congênita (menos de 7 dias) foi observado. Conclusão:Nota-se a necessidade de campanhas de conscientização e estratégias de saúde pública visando à redução do número de casos.

Palavras-chave


Sífilis. Incidência.Registro.

Texto completo:

PDF

Referências


ANCOSTA, lisiane M.W.; GONCALVES, Tonantzin Ribeiro; BARCELLOS, NêmoraTregnago. Coinfecção HIV/Sífilis na gestação e transmissão vertical do HIV: um estudo a partir de dados da vigilância epidemiológica. Revista Panam SaludPublica.v.40,n.6.2016.Disponívelem:. Acesso em 15 out. 2017.

BRASIL. MINISTERIO DA SAÚDE. Centro de controle de doenças programa estadual de DST/AIDS.CENTRO DE REFERENCIA E TREINAMENTO DST/Aids. Manual técnico para diagnóstico da sífilis.n1, ed1. 52p. Brasília, 2016.Disponívelem:, Acesso em: 06 . Mai. 2017.

BRASIL. Ministério da Saúde. Secretaria de Vigilância em Saúde. Coordenação-Geral de Desenvolvimento da Epidemiologia em Serviços.Guia de Vigilância em Saúde: v. 2, n 1. ed. atual. Brasília:2017.Disponívelem:http://www.hc.ufu.br/sites/default/files/tmp//volume_2_guia_de_vigilancia_em_saude_2017.pdf. Acesso em 20 out.2017.

BRASIL. Ministério da Saúde. Secretaria de Vigilância em Saúde (Org.). Indicadores e Dados Básicos da Sífilis nos municípios Brasileiros. 2016. Disponível em: < http://indicadoressifilis.aids.gov.br/>. Acesso em: 09. Mar. 2017.

CARVALHO, Isaiane da Silva; BRITO, Rosineide Santana. Sífilis congênita no Rio Grande do Norte: estudo descritivo do período 2007-2010. Epidemiol. Serv. Saúde, Brasília, v. 23, n. 2, p.287-294, jun. 2014. Instituto Evandro Chagas. http://dx.doi.org/10.5123/s1679-49742014000200010. Disponível em: . Acesso em: out. 2017.

CHINAZZO, Luciana Korf; LEON,Cristiano Amaral. Perfil clínico e epidemiológico da sífilis congênita na unidade de internação de um hospital universitário. Portal Cientifico de Pediatria. Rio Grande do Sul. v. 4, n.66-68, 2015. Disponível em: . Acesso em: 23 set.2017.

COSTA, et al. Sífilis congênita no Ceará: análise epidemiológica de uma década. Revista da Escola de Enfermagem da USP. São Paulo, V.47, n.1, 2010.Disponívelem:. Acesso em 02 out. 2017.

COSTA, Camila Chaves, et al. Sífilis congênita no Ceará: análise epidemiológica de uma década. Revista da Escola de Enfermagem da USP.SãoPaulo,V.47,n.1,2012.Disponívelem:. Acesso em 02 out. 2017.

CUNHA, Melissa Gonçalves Dalessi;CALVI,Thaís.DIAGNÓSTICO E TRATAMENTO DA SÍFILIS PRÉ-NATAL E CONGÊNITA. n. 1460, América, 2015.Disponívelem:

DOMINGUES, Rosa Maria Soares Madeira; LEAL, Maria do Carmo. Incidência de sífilis congênita e fatores associados à transmissão vertical da sífilis: dados do estudo Nascer no Brasil. Cadernos de Saúde Pública.v. 32, n. 6, 2016. Disponível em: < http://www.scielo.br/pdf/csp/v32n6/1678-4464-csp-32-06-e00082415.pdf > Acesso em: 05. Abr. 2017.

FIGUEIRÓ-FILHO, Ernesto Antonio, et al. Sífilis e Gestação: Estudo Comparativo de Dois Períodos (2006 e 2011) em População de Puérperas. DST - J Bras Doenças Sex Transm, Campo Grande, v. 1, n. 24, 2012. Disponível em: . Acesso em: 27 out. 2017.

FONSECA, Sandra Costa; KALE, Pauline Lorena; SILVA, Katia Silvera. Pré-natal em mulheres usuárias do Sistema Único de Saúde em duas maternidades noEstado do Rio de Janeiro, Brasil: a cor importa?.Revista Brasileira de Saúde Materno Infantil. v.15, n. 2. 2015. Disponível em: . Acesso em: 30. Out. 2017.

GALATORIE, Pamela Sue Aranibar; ROSSO, José Antônio; SAKAE, Thiago Mamôru. Incidência de sífilis congênita nos estados do Brasil no período de 2007 a 2009. Arquivo Catarinense de Medicina, Santa Catarina, v. 41, n. 2 2012. Disponível em: > http://www.acm.org.br/revista/pdf/artigos/924.pdf>. Acesso em: 23 set. 2017.

MAGALHAES, Daniela Mendes do Santos. Fatores sócio-demográficos e antecedentes obstétricos relacionados à sífilis na gestação em uma amostra de gestantes do Distrito Federal. Brasília 2011. Disponível em: . Acesso em 27 out. 2017.

MALVEZZI, Célia Maria; SANTANA, Rosiele de Oliveira. Ações de controle da sífilisgestacional.2015.Disponívelem:. Acesso em 29 set. 2017.

MARTINS, Keila Maria Carvalho. Avaliação da qualidade da assistência pré-natal de gestantes com sífilis. n.09-68, Sobral, 2014. Disponível em:. Acesso em: 30. Out . 2017.

MINAS GERAIS. Secretária de Estado de Saúde de Minas Gerais. Secretária de Estado de Saúde de Minas Gerais. Infecção pelo HIV e Aids Hepatites Virais Sífilis Adquirida e em Gestantes Sífilis Congênita .v.2, n. 11-222, Brasília, 2016. Disponível em: . Acesso em: 30. Mar. 2017.

NERY, J.A.da C.; SILVEIRA, L. K. C. B.; OLIVEIRA, F. L. As diversas apresentações da sífilis secundária. Relato de casos. Revista Brasileira de Clinica Medica. São Paulo, n.500-502, 2012. Disponível em: . Acesso em: 15 out. 2017

PINTO, Miguel et al. Carga treponémica em amostras biológicas

correspondentes a diferentesfasesclínicasdesífilis.BoletimEpidemiológicoObservações.v.5,p.1518,20.Disponívelem:

bservacoes_N15_2016_artigo5.pdf >. Acesso em: 02. Abr. 2017.

PIRES, et al. Ocorrência de sífilis congênita e os principais Fatores relacionados aos índices de Transmissão da doença no Brasil Da atualidade - revisão de literatura. RevistaUNINGÁReview.v.19,n.1,2014.Disponívelem:. Acesso em 22 set. 2017.

REZENDE, Ellen Márcia Alves; BARBOSA, Nelson Bezerra. A SÍFILIS CONGÊNITA COMO INDICADOR DA ASSISTÊNCIA DE PRÉ-NATAL NO ESTADO DE GOIÁS. Rev. Aps, Juíz de Fora, v. 18, n. 2, p.220-232, jun. 2015. Disponível em: . Acesso em: 13 nov. 2017.

SANTOS, Gabriel Zanotto; TERRA, Márcia Regina. Sífilis e seus diferentes estágiosinfecciosos.p.110,2017.Disponívelem: Acesso em: 02. Abr. 2017.

SANTOS, Simone Correia, GRAMACHO, Rita de Cássia Calfa Vieira. Detecção Precoce da Sífilis no Pré-Natal. Escola de Medicina e Saúde Pública. 2016. Disponívelem: . Acesso em 01 nov. 2017.

SILVA, Ana Carolina Zschornak da; BONAFÉ, Simone Martins. SÍFILIS: UMA ABORDAGEMGERAL. 2012.Disponívelem:. Acesso em: 25 set 2017.

SONDA, Eduardo Chaidaet al. Sífilis Congênita: uma revisão da literatura. Revista de Epidemiologia e Controle de Infecção.v. 3, n. 1, p. 28-30, 2013. Disponívelem: Acesso em: 09. Mai.2017.

SOUZA, Warlei Nunes; BENITO, Linconl Agudo Oliveira. Perfil epidemiológico da sífiliscongênitanoBrasilnoperíodode2008a2014.v.1,n.97102,Brasília,2015.Disponívelem:. Acesso em: 28. Out. 2017.

VACCARI, Alessandra. Epidemiologia, clínica e evolução de recém-nascidos com sífilis congênita. 2011. 120 f. Dissertação (Mestrado) - Curso de Mestrado em SaúdedaCriança,PontifíciaUniversidadeCatólicadoRioGrandedoSul,PortoAlegre,2011.Disponívelem:. Acesso em: 20 set. 2017.




DOI: http://dx.doi.org/10.18406/2359-1269v5n22018165

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Direitos autorais 2018 Camila Belfort Piantino

INDEXADORES:

 


Eixos Tech, Passos, MG, Brasil. e-ISSN: 2359-1269

Classificação Qualis: B4

Licença Creative Commons
Este periódico está licenciado por Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.